Versículo-chave: “Assim, você já não é mais escravo, mas filho; e, por ser filho, Deus também o tornou herdeiro.” Gálatas 4: 7

“Muitos que dizem” Nosso Pai “no domingo passam o resto da semana agindo como órfãos.” (Autor desconhecido)

Em nossa passagem de Gálatas, hoje encontramos o apóstolo Paulo consternado de que seus amigos de Gálatas que haviam sido libertados da escravidão do pecado, estavam tão dispostos a entrar em outro tipo de escravidão – a escravidão da lei.

O ponto principal da passagem é não voltar de Cristo e se tornar escravo de outra coisa. Você vê o que isso significa agora para nós? Uma coisa, Satanás não se importa se você tentar manter os dez mandamentos, desde que você tire todo o crédito por mantê-los. Ele não se importa se você vier a igreja, ou ensinar na Escola Dominical, ou pregar, ou seja qual for sua agenda moral, desde que confie em si mesmo e tome conta de si mesmo em vez de dar humildemente toda a glória a Deus. Ele quer que nós esqueçamos sobre o nosso relacionamento celestial – somos filhos do Pai.

Paulo diz que fomos libertados da escravidão e agora podemos gritar: “Abba, Pai”. É espantoso que Deus quer que nós o chamemos de “Pai”. As implicações são surpreendentes. Ter Deus como nosso Pai significa que Ele é vivo e pessoal. Isso significa que podemos conhecê-Lo. Significa que podemos conversar com ele e interagir com ele. Isso significa que podemos nos relacionar com Ele de forma pessoal e até mesmo íntima.

“Pai” é o nome mais significativo do Deus da Bíblia. É o nome que separa o cristianismo de todas as outras religiões do mundo. Outras religiões nos convidam a adorar seus deuses, mas o cristianismo nos convida a acreditar em um Filho e a entrar em um relacionamento familiar íntimo com um Pai amoroso. Jesus, o Filho de Deus, veio para que pudéssemos encontrar seu Pai, ser adotados na família de Deus e relacionar-nos com o Deus Todo-Poderoso do universo de maneira íntima, pessoal e concreta como filhos e filhas (2 Coríntios 6:16-18)

Martin Luther escreveu: “Abba” é apenas uma pequena palavra, e ainda contém tudo. Não é a boca, mas o coração que fala assim. Mesmo que eu seja oprimido com angústia e terror por todos os lados, e pareço abandonado e totalmente afastado de sua presença, ainda sou seu filho e você é meu pai. Pelo amor de Deus: eu sou amado por causa do bem-amado. Então, esta pequena palavra, “Abba”, o Pai, profundamente sentido no coração, supera toda a eloquência dos oradores mais eloquentes que já viveram. Este assunto não é expresso com palavras, mas com gemidos, e esses gemidos não podem ser proferidos com nenhuma palavra de eloquência, pois nenhuma língua pode expressá-los.

Pin It on Pinterest

Share This

Share This

Share this post with your friends!

Malcare WordPress Security